The stolen child

Dela já aqui falei antes – a Loreena McKennitt é uma artista absolutamente fantástica, cuja música já me acompanha há mais de 15 anos. Além da qualidade evidente dela como intérprete e compositora, todos os seus discos são autênticas viagens, com imensas notas pessoais acerca das músicas, dos poemas que as compõem, dos sítios onde viajou, de tudo o que deu origem às músicas. Apesar da base sonora predominante ser de inspiração celta, vai muito além do cliché de “celtic mood” e incorpora instrumentos e elementos musicais de várias origens.

Fico sempre surpreendida de não ser conhecida por cá, apesar de ser muito conhecida pelo mundo fora, e de até ter feito uma música sobre Portugal (uma das mais bonitas dela – Courtyard Lullaby) e de ter feito a fotografia de um album de 1991 no nosso país – o The Visit.

Está nos meus planos de férias tentar apanhá-la em Espanha na European Tour, a ver se tenho sorte…

A música que aqui deixo hoje é do primeiro disco, Elemental de 1985, tão bonito e actual como se tivesse sido editado ontem. É um poema de W.B.Yeats, um dos meus poetas favoritos da juventude, cujas palavras ditas por ela são do melhor que possam imaginar.

Where dips the rocky highland
Of Sleuth Wood in the lake
There lies a leafy island
Where flapping herons wake
The drowsy water-rats
There we’ve hid our fairy vats
Full of berries
And of reddest stolen cherries.

Come away, oh human child
To the waters and the wild
With a fairy hand in hand
For the world’s more full of weeping
Than you can understand.

Where the wave of moonlight glosses
The dim grey sands with light
By far off furthest Rosses
We foot it all the night
Weaving olden dances
Mingling hands and mingling glances
Till the moon has taken flight
To and fro we leap
And chase the frothy bubbles
While the world is full of troubles
And is anxious in its sleep.

Where the wandering water gushes
From the hills above Glen-Car
In pools among the rushes
That scarce could bathe a star
We seek for slumbering trout
And whispering in their ears
Give them unquiet dreams
Leaning softly out
From ferns that drop their tears
Over the young streams.

Away with us he’s going
The solemn-eyed
He’ll hear no more the lowing
Of the calves on the warm hillside
Or the kettle on the hob
Sing peace into his breast
Or see the brown mice bob
Round and round the oatmeal chest.

For he comes, the human child
To the waters and the wild
With a fairy hand in hand
For the world’s more full of weeping
Than you can understand.

Poem by William Butler Yeats (1865-1939)
Music by Loreena McKennitt


Anúncios

9 thoughts on “The stolen child

  1. And in a corner stood
    A pomegranate tree
    With wild flowers there
    No mortal eye could see

    Yet still some mystery befalls
    Sure as the cock crows at morn
    The world in stillness keeps
    The secret of babes to be born

    I heard an old voice say
    “Don’t go far from the land
    The seasons have their way
    No mortal can understand.”

    Even though some mortals
    Can understand beneath the “truth”
    One day it shall come to light
    And the season’s ways will be unveiled.

    Till forever on it goes.

    Gostar

  2. Conheço a Loreena há já uns anos e tenho um cd dela. A 1ª música que ouvi foi “Bonny Portmore”,que adoro..Se não fosses tu,andaria por aqui esquecida :)

    Gostar

  3. Aprendi a Loreena num passado não muito distante.
    É seguramente uma Favo(rita). :)

    O poema é lindo.
    Lembra-me com nostalgia os doces anos da minha adolescência.
    :)*

    Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

w

Connecting to %s