a preguiça da manhã seguinte


Depois da festa, era esta a imagem que me esperava pela manhã. Gosto mais de os ter na minha cama do que eles de lá estar! Por muito controverso que o co-sleeping seja…
Ainda para mais, nesta altura em que faz tanto frio e as noites são tão geladas, tem sido rara a noite em que nenhum dos dois nos vem fazer companhia a meio da noite. Sem dramas – só pelo quentinho :)
E como eu não sou nada uma “morning person” nada como ter companhia para ficar uma bocadinho na ronha…


10 thoughts on “a preguiça da manhã seguinte

  1. Acho óptimo partilharmos o quentinho da cama em manhãs frias de Inverno, mas não sou nada adepta do co-sleeping nocturno como princípio.

    Para além de eu ser demasiadamente dorminhoca para prescindir de uma noite tranquila e sem a preocupação de poder estar a esmagar um bébé com um braço, julgo que o bonding pode ser favorecido de múltiplas formas para além do co-sleeping.

    Por outro lado, julgo que o co-sleeping, para além de poder prejudicar os pais enquanto casal, não favorece grandemente a autonomia da criança.

    Gostar

  2. Com a minha filha mais nova adoptei a prática de co-sleeping, a par do babywearing, inspirada por inúmeros livros que li durante a gravidez e testemunhos de outros pais (em Inglaterra)!
    Vai fazer dois anos em Janeiro e continua a ser hóspede quase diária (ou devo dizer nocturna) na nossa cama, apesar de já ter a cama dela.
    Foi, e está a ser, uma experiência muito gratificante e recomendaria a quaisquer pais, apesar de quando o menciono ser olhada como excêntrica ou até irresponsável.
    Mas não é preciso ir muito longe em Portugal, basta recuar 50/60 anos, quando o filho mais novo dormia com os pais até ser desmamado, o que geralmente acontecia por volta dos 2 anos. Estou a falar do Portugal rural, não se sei se era prática nas cidades.

    A sua “bebé” está linda, Rita, é parecida consigo a julgar pelas fotos
    Elizabete

    Gostar

  3. uiii também eu que sempre fui adepta que o Rodrigo dormisse na caminha dele, para não criar “maus hábitos”, têm sido mais as noites em que dormimos os três juntinhos e quentinhos do que outra coisa… e sabe tão bem!!!!

    Gostar

  4. de manhã, na sesta depois do almoço, é sempre tão bom!
    a Matilde volta e meia junta-se-nos de manhã mas com demasiada energia e pouca vontade de dormir ;)

    Gostar

  5. são as minhas melhores memórias de infância e quero que sejam parte das dela também. Como ela “nasceu” aos dois anos, uma amiga Africana ensinou-me técnicas especificas de co-sleeping para “apressar” o bonding. A memória mais agradável é das sestas em cima da minha barriga e ainda hoje, ja quase com 6, ela de tempos a tempos coloca-se por uns minutos nessa posição. E essa é a melhor avaliação que recebi do método!

    Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s