Semana Mundial Pelo Parto Respeitado – 2009

(imagem da campanha da Associação Argentina Dando à Luz )

A semana mundial pelo parto respeitado já começou na segunda feira e prolonga-se até dia 17.
Por falta de tempo, e com grande pena minha, acreditem, só hoje volto a escrever sobre estes temas.
Tenho sempre muito que dizer, e a minha dificuldade na maioria das vezes é escolher o tema concreto sobre o qual dissertar, no que à humanização do parto diz respeito, porque tudo me motiva imenso a escrever.
Volto a lançar o desafio aos meus leitores, tal como já fiz o ano passado, que me digam nos comentários sobre o que gostavam que eu escrevesse. Conto com as vossas sugestões para os temas desta semana!

Para dar o mote à, deixo-vos a reportagem feita pela SIC, um trabalho da Jornalista Manuela Vicêncio, que foi transmitida no dia da mãe. Não é possível colocar aqui o video, por isso tenho de deixar o link para o mesmo na página da Sic Online:

http://www.sic.pt/online/video/informacao/Reportagem+SIC/2009/5/9-meses-depois.htm

A reportagem da deixou-me, de forma geral, bastante satisfeita. Foi o primeiro trabalho do género feito em Portugal e sobre a nossa realidade e acho de não defraudou as expectativas. Foi incisivo o suficiente, não cortou prestações menos brilhantes, recolheu opiniões médicas divergentes, fugiu ao sensacionalismo e abordou transversalmente a questão. Toda a equipa está de parabéns, porque é um trabalho sério e bem apresentado.

Para mim, foi difícil distanciar-me do documentário, até porque muitas das pessoas presentes eu conheço-as do dia a dia e da defesa desta causa comum – a humanização do parto..

Em relação aos intervenientes:

O Prof. Jorge Branco, da MAC, esteve brilhante, como sempre, aliás.
Tenho uma grande estima e consideração pessoal por ele, sei bem que não foi fácil implementar as mudanças que hoje existem na MAC (são poucas, é certo, mas é um princípio importante e é sempre necessários começar por algum lado – roma e pavia não se fizeram num dia), nem tão pouco é fácil enfrentar a resistência a oposição dos colegas de profissão.
Mas é um homem coerente, informado e muito ponderado. É uma mais valia para o país, sem dúvida.
De realçar do discurso dele:

“Todas as semanas se usa (o quarto com a roda de partos), mas não é muito procurado. Repare: o médicos e as enfermeiras que assistem partos nesta sala têm que se por na posição que a senhora gosta e não na posição que eles gostam, e portanto não é – digamos – o mais oferecido…”

“Há uma grande pressão por parte dos médicos é verdade, muita pressão por parte também das mulheres, que querem parto induzidos, sem indicações clínicas. Há induções feitas intempestivamente, sem que o colo esteja preparado para isso, e é claro que essas induções acabam sempre mal e é muito provável que acabem numa cesariana. Para mim essa é a principal razão pelo disparo das cesarianas.”

“O parto em Portugal é no Hospital, embora seja bom que a pouco e pouco o consigamos desmedicalizar, pelo menos no que diz respeito aos seus exageros.”

A Enfª Lúcia Leite – igual a ela própria. Uma mulher de fibra e convicção a defender aquilo em que acredita e no qual trabalha diariamente há mais de 20 anos:
“quando uma mulher se sujeita a uma epidural, essa situação leva-a muitas vezes a outras situações indesejadas e muitas vezes o desconforto ou até sofrimento do feto.”

Mary Zwart – é uma mulher que tive o privilégio de conhecer há 3 anos, no primeiro congresso da HUMPAR. Além de ser um ser humano extraordinário é uma parteira com muitos anos de experiência, em que se confia automaticamente. Uma mulher muito interessante:

“se pensarmos no ambiente para dar à luz, é o resultado da nossa vida sexual. Tem a ver com as cores, os cheiros, a forma como nos movimentamos, A maneira como se tem acesso a comida e bebida – tudo isso contribui imenso.
Como o Dr. Marsden Wager disse uma vez: se pedíssemos a homem para ter relações sexuais no mesmo ambiente em que uma mulher ó obrigada a parir, ele recusar-se-ía ou teria muita dificuldade em conseguir uma erecção…”

Adorei a Ana a falar do seu parto e da dor de parto, a metáfora não podia ter sido mais feliz:
“Claro que custa, claro que é assoberbante, mas faz parte. As pessoas tb não querem uma epidural para deixar de sofrer de amor, uma epidural para corações partidos. Há coisas que temos de sentir:”

Hospital de São João:
É um dos sítios em Portugal que mais aberto está para a mudança do atendimento ao parto.
Na minha opinião, foi retratado apenas pela negativa e a profissional dos “macaquinhos” descredibilizou toda uma equipa que sei ser dedicada e empenhada…

A Dr.ª Marina Mocho esteve bem – é médica, está a defender a sua profissão e os seus pares – mas mesmo assim consegue ser cordial e mostrar abertura q.b. apesar de ser estar convicta de que a mulher não tem que dar a sua opinião:

“Acho que a maioria da população portuguesa confia plenamente nos cuidados que vai ter e por isso não está muito importada em dar a sua opinião ou não, até porque acha que vamos decidir por ela, e provavelmente vamos decidir bem…”

(Atrevo-me aqui a dizer que o problema da saúde em Portugal tem a ver com esta prepotência dos médicos, que acham que sabem tudo, que não têm de perguntar nada a ninguém e que as pessoas não são vistas nem achadas naquilo que lhes diz respeito – a sua saúde e bem-estar)

Outra questão muito importante que foi abordada de forma subreptícia: Todos os procedimentos médicos têm de ser autorizados pela mulher, cesarianas e epidurais. É suposto a mulher assinar um consentimento informado onde é esclarecida dos prós e contras das intervenções e assume responsabilidade pelas mesmas. A verdade é que a maioria desses “consentimentos” são assinados literalmente às cegas. O que transcrevo faz parte de um diálogo entre médica e paciente no Hospital de S. João, visível no documentário:
“- Consegue assinar?
– Estou a tremer…
– Não faz mal, não se preocupe… faça uma coisa qualquer.

(palavras para quê…)

Drª Libânia Araújo – mais conhecida como a “médica do macaquinhos”:
Foi a primeira vez que ouvi e vi esta senhora e confesso que tenho verdadeira curiosidade em conhecê-la. Teria todo o gosto em explicar-lhe, entre tantas outras coisas, que os macacos são tão ou mais inteligentes do que nós, que partilhamos mais de 90% do código genético com eles, e que temos aprendido muito a estudá-los. Não são uma “coisa” esquisita e bizarra que se visita no Jardim Zoológico atrás de uma jaula.
Teria ainda todo o gosto em falar com ela acerca outras coisas, como explicar-lhe o conceito de “humanização do parto” e dar-lhe a conhecer a Teoria Humanista do séc. XV que visava exaltar uma série de valores e ideiais relacionados com o ser humano, que não tem nada a ver com “macaquinhos”, sejam eles do nariz ou do chinês…

O que transcrevo de seguida não é um monólogo surreal que acabei de inventar, mas sim a transcrição ipsis verbis da contribuição da senhora para o documentário:
“- Respeitamos as mulheres tanto quanto é possível. Eu só posso respeitar a vontade da mulher enquanto não corre nenhum risco – nem a saúde da mulher nem a saúde do filho. Quando alguma dessas variáveis corre algum risco, eu não posso respeitar.
Eu detesto a palavra humanização: porque até parece que estamo aqui a ter macaquinhas a ter partos e não, nós temos mesmo pessoas!
A medicina não é veterinária, portanto eu não vou humanizar aquilo que já está humanizado: uma mulher, um homem, uma criança, são seres humanos. Portanto eu não vou mais humanizá-la. É um pleonasmo que eu na verdade não gosto. Percebo a ideia mas apetece-me perguntar quantos macaquinhos humanizamos por mês, ou por semana…

Com médicos assim, prefiro um tratador de macacos!!

Enfim, vejam vocês o documentário, se é que não o viram já, divulguem, comentem, mexam no assunto!
E deixem sugestões em relação aos temas que gostavam de ver abordados esta semana. Vou-me esforçar para corresponder e postar com a regularidade necessária :)

Anúncios

12 thoughts on “Semana Mundial Pelo Parto Respeitado – 2009

  1. Eu entendi o que a Dra. Libânia Arújo quis dizer e, sinceramente, acho que estás a fazer a TUA leitura… Não devemos ser radicais nas leituras que fazemos das coisas só porque somos radicais nas nossas visões…

    Gostar

  2. Querida Zé!
    Muito obrigada pelo teu testemunho!
    Tenho muito orgulho de ser tua amiga e de ter acompanhado o teu percurso!
    És sempre bem-vinda a este espaço e se um dia quiseres aqui divulgar o teu relato de parto, terei a maior honra em publicá-lo :)

    Gostar

    1. Rita,

      deixas-me sem palavras com as tuas palavras ;)

      Obrigada por fazeres parte do meu percurso amiga!

      Até breve com as linhas e os trapos!

      Gostar

  3. Tive uma bébé há 2 meses num parto lindo em casa acompanhada pela Parteira Mary e pela minha amiga doula Ana. Foi uma experiência muito positiva e transformadora!

    Para a Umademim, tenho três filhas. A 1ª nasceu de cesariana com epidural por suposta incompatibilidade feto-pélvica. A 2ª nasceu de parto normal na maternidade e a 3ª nasceu em casa. O que mudou da 1ª para a 2ª e como consegui o meu VBAC (vaginal birth after cesarean)? Acreditando que era capaz de parir, confiando no meu corpo! é Possivel! Há muitas histórias bonitas de VBAC.

    Rita, obrigada por trazeres estes temas ao teu espaço de partilha cibernética. Beijinhos e saudades!

    Gostar

  4. Tive um parto induzido por não desenvolvimento da minha bebe, após 19h em trabalho de parto e sem 1 único dedo de dilatação teve que ser cesariana.
    A verdade é que confio muito no meu médico e sei que foi a melhor opção tanto para mim como para a minha filha e a única coisa que interessa na verdade é que estamos bem.

    Gostar

  5. olá rita,

    ainda bem que essa reportagem passou mas ainda há muito a fazer para mexer com ideias instituídas na cabeça das mães e de profissionais de saúde. fiz infelizmente uma cesariana às 40 semanas. a questão que queria pôr é a seguinte. em que medida poderei ajudar o meu corpo, numa hipotética segunda gravidez, a evitar uma segunda cesariana?

    Gostar

  6. Olá Rita,

    Tenho assistido com muito interesse a todas as questões que tem lançado sobre a maternidade, tal como ela é realizada em Portugal. Resolvi comentar pela primeira vez porque gostava de a ouvir sobre uma matéria que me parece particularmente importante e que poderia ser o início de uma maior sensibilização por parte dos nossos hospitais, ou blocos de parto. Não lhe parece que a posição do parto pode ser determinante no sucesso do processo do nascimento? Mais do que discutirmos epidurais ou excesso de cessarianas (com toda a propriedade, claro!), não deviamos trabalhar para que as equipas médicas fossem mais sensíveis à forma como a mulher está posicionada durante o trabalho de parto? É que obrigar uma futura mãe a estar deitada durante a dilatação e a fazer o trabalho de expulsão deitada parece-me o mais anti-natura possivel e concerteza que prejudicará o desenrolar do processo. Será que o trabalho de sensibilização em Portugal não deveria começar por aí? Senão, mais vale ser ‘macaquinha’!!!

    Obrigada e parabéns por tudo o que expõe no seu blogue!

    Gostar

  7. Olá Rita!

    Antes de mais parabéns pelo Blog, pois já é uma das minhas visitas diárias. Confesso que este é um tema que também gosto de debater, principalmente porque fui mãe há pouco mais de 1 ano e vivenciei um parto hospitalar.
    Por ter uma gravidez de risco (hipertensão crónica) fui seguida durante a gravidez no hospital, às 36 semanas fiz diabetes gestacional e às 38 semanas queriam-me induzir o parto e… eu não deixei.
    Vi a médica a decidir a minha vida sem me explicar nada nem me perguntar nada e recusei-me, tinha feito uma ecografia nessa semana e a bebé ainda não tinha grande peso, mas as minhas tensões estavam controladas. Induzir para quê?
    Foi então induzido, mas às 40 semanas. Muita caminhada para fazer a dilatação, mas não saía dos 2 dedos. Induziram-me às 13.00h e a Inês nasceu de parto normal (com epidural) às 23.55h. Fiz bem a dilatação, mas estava com medo que terminasse numa cesariana, o que não aconteceu, acabei por recorrer à epidural, o que inicialmente achava que não iria fazer, mas correu tudo bem.
    O ideal para mim era ter tido um parto que decorresse espontâneamente e em casa, mas não encontrei apoio da família e tinha a insegurança que devido à hipertensão fosse correr mal. Acho que fiz a melhor opção. A Inês nasceu com bom peso e mamou na sala de partos. Foi lindo!
    Acho que devemos fazer-nos ouvir e que respeitem as nossas decisões, se houvesse de facto um risco clínico teriam-me induzido às 38 semanas,nasceu de parto induzido de facto, mas às 40 e estava óptima. A informação é que nos dá poder de decisão.
    Jinhos!
    Susana

    Gostar

  8. gostei muito do documentário – mostra uma realidade que não conhecia.

    Ainda não o tinha visto na tv nem na net – obrigada por divulgares!

    Gostar

  9. vi a reportagem quando passou e gostei bastante. lembro-me de também ter ficado com a história dos macaquinhos na cabeça. Percebo o que ela quer dizer, parece um pleunásmo, humanizar aquilo uqe já é humano, não lhe calhou bem. certamente será uma boa médica, acreditemos que sim, que é daquelas que nao tolera as lamechices que algumas grávidas assumem. Prefiro o humanizado, concluindo. Gostei do teu post, assim como outros que tens feito. refiro-te no meu blog, continua!

    Gostar

  10. Ainda estou boquiaberta com a médica dos macaquinhos!
    acabei de ver o documentário e ainda não acredito!!
    Como é que uma criatura assim pode ser médica…

    Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s